domingo, 9 de dezembro de 2007

Literatura de Elite

Outro dia fui surpreendido pela seguinte interpelação: “Você ainda não viu Tropa de Elite?” Note-se que na pergunta há explicitamente um quê de obrigatoriedade. Por que o “ainda”? Seria acaso inimaginável que alguém, no Rio de Janeiro, “ainda” não tivesse assistido “Tropa de Elite”? Não só “ainda” não assisti Tropa de Elite como “ainda” não tenho planos em minha agenda de assisti-lo (o que não quer dizer que não vá assisti-lo futuramente; nada contra, nem a favor do filme); haja vista a grande quantidade de livros e revistas e artigos na minha estante os quais, embora tenha neles grande interesse, “ainda” não os pude ler por motivos diversos !
Considero no mínimo curiosos esses modismos motivados pela mídia ou mesmo por uma pseudo e suspeitosamente arquitetada, antimídia travestida de pirataria. Pois o fato do filme ter sido amplamente divulgado por meios ilegais parece só ter feito aguçar ainda mais a curiosidade de quem não o viu e o desejo de vê-lo na “telona”, por parte de quem viu. Muito boa estratégia !
Mas, Tropas de Elite à parte, até porque não posso falar do filme, pois não o vi, acabei de ler “O Mundo de Sofia, de Jostein Gaarder”, que alguns diriam estar um pouquinho fora de moda, (o livro é de 1991), se é que tem algum sentido alguém falar em livro fora de moda. Gostei muitíssimo e recomendo para qualquer leigo no assunto (o que é o meu caso) que tenha algum interesse em saber a origem de uma série de idéias, comportamentos e visões de mundo que permeiam nosso senso comum atualmente. É impressionante como vários conceitos que hoje nos parecem ser “óbvios” e “inquestionáveis” e que “não poderiam jamais ser de outro jeito”, na verdade possuem sim uma origem e toda uma história envolvida. Gostaria de saber a opinião de outras pessoas sobre o livro.
Vi também por esses dias um filme que há muito eu queria ver, foi o também fora de moda “Quero ser John Malkovich, do roteirista Charlie Kaufman e dirigido por Spike Jonze”; que classificaria como uma comédia psicológica surreal de muito bom gosto (se é que existe este gênero !). Achei muito interessante, inteligente e divertido. Também recomendo.

2 comentários:

Pardal disse...

Fora de moda um livro de 1991...rs E o que dizer da Bíblia...?

Pardal disse...

Discussões à parte o filme é bom. Tem até alguns conceitos que julgo distorcidos, mas o filme é bom. Eu diria ser melhor até que Cidade de Deus (Não o Livro, nem o do Santo...).